A chuva chegou e com ela a Leptospirose, proteja seu pet!

Leptospira são bactérias espiroquetas móveis filamentosa que infectam vários animais selvagens e domésticos, assim como os seres humanos. Há uma descrição de mais de 200 tipos de sorovares de Leptospira.

Transmissão

A infecção é disseminada por animais recuperados que excretam Leptospira na urina durante meses a anos após infecção. Populações de animais selvagens atuam como reservatórios da infecção; persistentemente excretam Leptospira e contaminam o ambiente (racum, jaritataca, esquilos, ratos silvestres e outros roedores podem ser fontes especialmente importantes de infecção.

Patogêne

Nota-se leptospiremia 4 a 12 dias após a infecção. Os órgãos-alvo principais de leptospirose são os rins e o fígado.

Sinais clínicos

Sintomas sistêmicos: podem incluir início agudo de anorexia, depressão, febre, vômito, desidratação, andar rígido e relutância em se movimentar (mialgia generalizada) e congestão de membranas e mucosas.

Prevenção

A vacinação de rotina auxilia a reduzir a prevalência e a gravidade de leptospirose canina e a minimizar o risco da doença  aos proprietários de animais domésticos.

OBS: Esta doença é uma ZOONOSE, que passa do animal para o ser humano.